Quais os principais métodos contraceptivos e qual o ideal para você?

Há vários métodos contraceptivos. Você pode evitar a gravidez de diversas formas, mas é bom lembrar que apenas a camisinha irá te proteger contra doenças. Então, não deixe de usar preservativo sem antes fazer exames. Aliás, sempre use preservativo se o seu parceiro não tem relações apenas com você.


A forma que cada mulher escolhe se proteger é bem importante e é fundamental procurar um especialista nesse momento. Cada método possui suas vantagens e desvantagens. Entre as opções, tem injeção, pílula, adesivo, coito interrompido, tabelinha, camisinha, DIU (Dispositivo Intrauterino) e espermicida. Esses são apenas alguns métodos. O ideal para uma mulher nem sempre é para outra. Conheça as opções, características de cada um, e procure um ginecologista para te orientar!


Métodos contraceptivos: hormonais, naturais e de barreira


Entre os métodos hormonais, tem injeção, pílula e adesivo. Entre os naturais, tem coito interrompido e tabelinha. E nos de barreira, tem a camisinha, DIU e espermicida. Mas esses são apenas alguns.


Métodos hormonais


Os contraceptivos hormonais são usados para a prevenção da gravidez à base de formas sintéticas de hormônios femininos: o estrogênio e a progesterona. Alguns desses métodos combinam os dois, enquanto outros têm apenas progesterona. Eles podem ser tomados, injetados, inseridos na vagina, aplicados à pele ou implantados sob a pele. Conheça melhor cada uma dessas opções.


Principais tipos de contraceptivos hormonais


Pílula oral: existem vários tipos de pílulas, inclusive de uso contínuo.


Anel vaginal: é um objeto de silicone que a mulher insere na vagina, onde os hormônios são lentamente liberados para prevenção da gravidez. Ele deve ficar no lugar por três semanas contínuas e depois você precisa retirá-lo e ficar uma semana sem usar - é quando você irá menstruar. Após o intervalo, você coloca um novo anel.


Adesivo anticoncepcional: com aspecto semelhante a um curativo, o adesivo é colado no corpo e os hormônios são absorvidos através da pele. É semelhante ao anel vaginal, você usa por três semanas e fica sem usar por uma.


Anticoncepcional injetável: você deve receber uma injeção a cada um ou três meses, dependendo do tipo. Quando as injeções são interrompidas, a fertilidade pode demorar até sete meses para voltar.


Implantes contraceptivos: é um pequeno bastão implantado sob a pele, na parte inferior do braço. O procedimento é rápido, feito com anestesia local. Dentro do corpo, o dispositivo libera progesterona. É eficaz por até três anos, mas pode ser removido antes.


Métodos naturais


Eles implicam que a mulher aprenda a identificar o período fértil, conhecendo as modificações fisiológicas ao longo do ciclo menstrual. Os métodos podem requerer um longo período de abstinência. Geralmente são necessários três a seis ciclos para aprender a identificar o período fértil, sendo difíceis de utilizar quando em presença de ciclos irregulares. E esses métodos não protegem de DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis).


Principais tipos de contraceptivos naturais


Coito interrompido: Não é propriamente um método contraceptivo. O homem retira o pênis da vagina antes de ejacular. É pouco eficaz, pois antes da ejaculação pode sair espermatozóides.


Método do calendário: também é conhecido como tabelinha. Limita a realização do ato sexual ao ciclo menstrual feminino, durante o qual o risco de concessão é menor. Comporta abstinência sexual durante cerca de dez dias em cada ciclo. O período fértil é calculado da seguinte forma: a mulher tem uma ovulação por mês, quatorze dias antes da menstruação seguinte; o óvulo é viável cerca de dois dias após a ovulação e o espermatozoide pode ser fecundante três a cinco dias após a ejaculação. Durante o período fértil você deverá associar métodos de barreira ou praticar a abstinência.


Métodos de barreira


Os métodos de barreira são removíveis. Eles evitam a entrada do esperma no útero. Esses contraceptivos são indicados às mulheres que não podem tomar algum tipo de hormônio ou que desejam proteção de IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis).


Principais tipos de contraceptivos de barreira


Camisinha: tanto feminina como masculina. Elas são as únicas maneiras de prevenção contra ISTs. O preservativo masculino é usado no pênis para recolher o esperma, impedido-o de entrar no corpo da mulher. O preservativo feminino é inserido na vagina antes da penetração do pênis para impedir a entrada do esperma no útero.


DIU: é um método constituído por um aparelho pequeno e flexível que é inserido dentro do útero. Ele só pode ser utilizado em pacientes saudáveis e que apresentem exames ginecológicos normais; ausência de vaginites, tumores pélvicos, doença inflamatória pélvica, etc. Existem vários modelos de DIU e é um contraceptivo que deve ser colocado por um profissional da saúde.


Espermicidas: são substâncias químicas em forma de geleia, creme, comprimido, tablete ou espumas, que devem ser colocadas na vagina quinze minutos antes da relação sexual. Eles servem como barreira para impedir o contato dos espermatozóides com o útero. Usado isoladamente, os espermicidas não oferecem grande eficácia, mas associados a outros métodos de barreira, são úteis e oferecem mais proteção. Em algumas mulheres pode provocar reações alérgicas.


Qual o método ideal para mim?


Como já falamos, cada mulher se adapta melhor a um método. Analise as vantagens e desvantagens, procure um ginecologista e veja qual é a melhor opção para você. E lembre-se, use camisinha para evitar DSTs.